Saiba mais

 
 

ETHEL THERESA WEAD MICK

Biografia (adaptada) escrita por sua filha, Sra. Ruth Elizabeth Brideau

 

Ethel Theresa (Therese) Wead Mick nasceu 09 de março de 1881, em Atlantic, Iowa, filha de William Henry Wead e Elizabeth Delight Hutchinson Wead, sendo a filha mais nova de uma família, incluindo dois irmãos, Fred e Frank, e uma irmã, Pérola Wead Scrivens.

 

Quando criança, sua família foi muito unida e religiosa. Sua mãe lia histórias da Bíblia todas às noites para os seus filhos e muitas vezes referia-se ao Livro de Jó, citando como uma filosofia ideal para suas filhas e afirmando que manter a esperança nas provações e tribulações pessoais é o melhor caminho para alcançar a recompensa e se tornar “formosas e justas como as filhas de Jó”. Isto deixou uma impressão duradoura sobre sua filha Ethel que eventualmente resultou na fundação da Ordem Internacional das Filhas de Jó.

 

Enquanto frequentava a Faculdade de Medicina de Creighton, em Omaha, Nebraska, Ethel Wead se relacionou com William Henry Mick, um colega estudante de medicina, e eles se casaram em maio de 1904. Eles tiveram duas filhas, Ethel (Sra. C. Spencer Shotwell) e Ruth Elizabeth (Sra. AJA Brideau), e dois netos, William e Alfred Brideau.

 

Sra. Mick era um membro fundador da Associação Mayflower Nebraska, e um membro da Sigma Phi Nu (a fraternidade médica),  As Filhas de 1812, Filhas da Revolução Americana e White Shrine of Jerusalem. Ela organizou e foi a primeira matrona do Capítulo Ak-Sar-Bem da Ordem da Estrela do Oriente; a primeira presidente da East Cleveland Capítulo do Senhoras Auxiliares dos Veteranos de Guerras Estrangeiras; e, claro, a organizadora e fundadora da Ordem Internacional das Filhas de Jó.

 

Seus hobbies incluía o canto, pintura a óleo sobre tela, porcelana, ler, viajar e reunir com seus clubes. Sra. Mick faleceu em 21 de fevereiro de 1957, após um longo período de aflição.

 

GENEALOGIA

Genealogia de Ethel Theresa (Therese) Wead

pela Sra. B.J. Dutcher Creager

Setembro 1992

 

Preparado para o Site JDI

por Tomilynn E. Willits McManus, PHQ, PSG

Curador, Centro Internacional das Filhas de Jó

 

Em 1992, minha amiga, a Sra. BJ Dutcher Creager, estava estudando para a certificação como um genealogista profissional na Sociedade Nacional de Genealogia e foi necessário para concluir um projeto de história familiar não utilizar seus próprios parentes. Eu sugeri a ela que pesquisasse a família de Ethel T. Wead Mick. Quando eu conheci BJ ela me disse que tinha feito parte das Filhas de Jó em Nebraska de modo que este projeto tornou-se “natural”. Eu dei-lhe as informações disponíveis a partir de registros da OIFJ e dos meus próprios esforços débeis e ela buscou esse projeto com prazer. Seu relatório completo e fontes documentadas, com muitas mais datas e locais do que eu listei aqui, estão no arquivo com o Curador. BJ passou a servir como docente no Arquivo Nacional em Seattle, Washington, e passou a ensinar cursos de genealogia na Sociedade Genealógica de Seattle. Estou em dívida com sua persistência e ao valor que ela colocou sobre a nossa organização.

As informações históricas podem ser interpretadas de diferentes maneiras e dados genealógicos não são uma exceção. É, muitas vezes, difícil decifrar documentos manuscritos desbotados e rasgados e as lacunas no registro histórico são frequentes devido às guerras e desastres naturais, como inundações, incêndios e furacões. Além disso, a reestruturação dos municípios e limites da cidade ao longo de décadas aumenta a confusão quanto ao local onde os registros civis são armazenados. Em vez de confiar apenas em estatísticas vitais e outros documentos legais, BJ escolheu para buscar informações os ancestrais de várias associações da Sra. Mick então, ela escreveu para várias organizações e recebeu informações úteis a partir das Filhas da Revolução Americana, As Filhas de 1812 Sociedade Nacional dos Estados Unidos e A Sociedade dos Descendentes Mayflower.

Tomilynn E. Willits McManus

 

 

Filhas da Revolução Americana

A adesão da Sra. Mick nas Filhas da Revolução Americana vem da família de seu pai e é baseada em seu relacionamento com Jacob Weed (Wead), Sr., um membro dos Soldados e Marinheiros na Guerra Revolucionária de Massachusetts. A Linhagem da Sra. Mick é resumida como segue: Pai, William Henry Wead; Avô, Kilburn Wead; Bisavô, Ezra Wead; Tataravô, Jacob Weed (Wead), Sr., que nasceu em abril de 1737 e morreu em fevereiro de 1813.

 

As Filhas de 1812, Sociedade Nacional dos Estados Unidos

Sua participação nas Filhas de 1812 é a partir do seu tataravô (por parte de mãe), Edward Foster, Jr., que serviu como major do 1º Regimento (Valentine’s) da Milícia Massachusetts. Linhagem da Sra. Mick é resumida da seguinte forma: Mãe, Elizabeth Hutchinson; Avó, Catherine Nott Foster; Bisavô, Otis Foster; Tataravô, Edward Foster, Jr.

 

A Sociedade dos Descendentes Mayflower

As respostas que BJ recebeu da Sra. Marie Spomer e Sra. Becky Allen Whedon da Sociedade de Nebraska Descendants Mayflower foram mais útil em documentar a ancestralidade da Sra. Mick por parte da família de sua mãe. Sra. Spomer informou que a Sra. Mick era originalmente um membro da Sociedade de Descendants Mayflower Massachusetts, tendo sido associada em 30 de junho de 1921. A Sociedade Nebraska foi fundada em 1923 e ela foi um membro fundador. Sra. Mick transferiu-se para a Associação de Ohio em junho de 1934 após ter se mudado em setembro de 1926 para Cleveland.

 

Como historiadora da Sociedade de Nebraska Descendants Mayflower, a Sra. Whedon verificou informações, em parte, familiar a muitos de nós. Ethel Theresa (também registrada como Therese) Wead, nasceu em 9 de Março 1881 em Atlantic, Iowa, o quarto filho de William Henry Wead (falecido) e Elizabeth Delight Hutchinson Wead. Sr. Wead morreu em Atlantic, Iowa, em 9 de Julho 1880 e Elizabeth Hutchinson Wead morreu em 3 de Maio 1914 em Omaha, Nebraska. Ethel T. Wead casou-se com Dr. William Henry Mick, no Colorado em 25 de maio de 1904; ela morreu em Cleveland, Ohio, em 21 de Fevereiro de 1957, e está enterrada no Forest Lawn Cemetery, em Omaha, Nebraska. Dr. e Sra. Mick tinham duas filhas: Ethel Wead Mick e Ruth Elizabeth Mick, que se casou com C. Spencer Shotwell e Alfred JA Brideau, respectivamente.

 

Além disso, a Sra. Whedon forneceu as seguintes informações sobre os pais da Sra. Mick. William Henry Wead nasceu 04 de março de 1835 em Wilmington County, New York; Elizabeth Delight Hutchinson nasceu 12 de marco de 1844 em Antuérpia, Nova York. Mr. e Miss Hutchinson Wead se casaram em Sturgeon Bay, Wisconsin, em 27 de outubro de 1865. Sra. Whedon informou que o ancestral Mayflower de Ethel T. Wead Mick, Thomas Prence, nasceu em 1600 em Lechlade, Gloucester, Inglaterra e casou-se com Patiente Brewster (nascida em 1604, Inglaterra) em 05 de agosto de 1624 em Plymouth, Massachusetts. Ele emigrou em 1621 a bordo do navio "ANN" e serviu como governador do New England Colônia em 1634/1648 e 1657/1672. O que se segue é um breve resumo da genealogia familiar Wead da mãe da Sra. Mick, Elizabeth, de volta ao ancestral Mayflower da Sra. Mick, Thomas.

 

Mãe da Sra. Mick, Elizabeth Hutchinson Wead, o segundo filho de Elias Hutchinson e Catherine Nott Foster, tinha quatro irmãos: Maria A. Hutchinson, Theresa E. Hutchinson, Carlton D. Hutchinson, e Olive V. Hutchinson. O pai de Elizabeth, Elias, morreu no dia 15 de junho, 1858 em Beaver Dam, Condado de Dodge, Wisconsin, e sua mãe, Catherine, morreu Sturgeon Bay, Door County, Wisconsin, em 1892.

 

Catherine Nott Foster

Pais: Otis Shurtliff Foster e Polly Nott nasceram em Antuérpia, Nova York, em 1797 e por volta de 1798, respectivamente. Ele faleceu em Antuérpia em 1860 e ela por volta de 1850.

 

Otis Shurtliff Foster

Pais: Edward Foster, Jr., e Vesa Shurtliff nasceram em Massachusetts em 1769 e cerca de 1770, respectivamente. Eles morreram em Antuérpia, Nova York cerca de 1840 e 1860, respectivamente.

 

Edward Foster, Jr.

Pais: Edward Foster, Sr., e Deborah Bangs se casaram em 13 de janeiro de 1762 em Hardwick, Worcester County, Massachusetts.

 

Edward Foster, Sr.

Pais: James Foster e Lydia Winslow, que se casaram em 10 de julho de 1729 em Hardwick, Worcester County, Massachusetts.

 

James Foster

Pais: Chillingsworth Foster e Mercy Freeman. Chillingsworth nasceu 11 de janeiro de 1680 em Marshfield, Massachusetts, e Mercy nasceu em Eastham em 3 de Agosto 1687.

 

Mercy Freeman

Pais: John Freeman e Sarah Merrick nasceram em dezembro 1651 e 01 de agosto de 1654, respectivamente, em Eastham, Massachusetts.

 

John Freeman

Pais: (Major) John Freeman nasceu 18 de janeiro de 1626 ou 1627 na Inglaterra e Mercy Prence nasceu por volta de 1631 em Plymouth, Massachusetts.

 

Mercy Prence

Pais: Thomas Prence e Patiente Brewster casaram em 05 de agosto de 1624 em Plymouth, Massachusetts.

 

 

SUPREMO CONSELHO GUARDIÃO DAS

FILHAS DE JÓ INTERNACIONAL

 

O objetivo do Supremo Conselho Guardião (SCG) é ter jurisdição sobre as FJI. O SCG é investido com o poder de legislar pela Ordem sem controlar, gerenciar ou operar as decisões e atividades dos corpos a ele subordinados. Os membros do SCG são Mestres Maçons e mulheres com mais de vinte anos que tenham o parentesco maçônico exigido na nossa Ordem.

 

Os cargos de um SCG podem ser eletivos e nomeados. Os Oficiais eletivos são: Suprema Guardiã, Supremo Guardião Associado, Vice-Suprema Guardiã, Vice-Supremo Guardião Associado, Suprema Guia, Suprema Dirigente de Cerimônias, Supremo Guarda Interno e Supremo Guarda Externo. Por outro lado, os cargos nomeados são: Supremo(a) Secretário(a), Supremo(a) Tesoureiro(a), Supremo(a) Capelã(o), Supremo(a) Bibliotecário(a), Supremo(a) Diretor(a) de Música, Suprema Primeira/Segunda/Terceira/Quarta/Quinta Mensageira, Supremo Primeiro Zelador e Supremo Segundo Zelador.

 

Os cargos eletivos são escolhidos na eleição anual de oficiais do SCG que ocorre na Suprema Sessão de cada ano. Os membros presentes que aspiram por um cargo eletivo são solicitados a se levantarem e dizer o nome e a jurisdição. É eleito aquele(a) com a maioria dos votos. Possuem direito ao voto aqueles(as) registrados na Sessão Anual que sejam: membros do SCG, um delagado(a) votante escolhido entre os membros executivos de um CGB, Past Guardiãs de Bethéis e Past Guardiões Associados de Bethéis.

 

A gestão de um SCG é de um ano e os membros deste conselho devem cumprir seus deveres nos seus cargos até que seus sucessores tenham sido instalados.

 

Dentre os principais deveres do SCG estão os poderes de: adotar e fazer emendas às Constituições e Estatutos, fornecer direcionamento e orientação nos assuntos da organização como um todo; atuar sobre todos os assuntos que surgem em jurisdições onde não exista um Grande Conselho Guardião; prescrever Ritual, Ritual Musical, conferências das épocas e outras cerimônias; aprovar mudanças nas regras e regulamentos do Supremo Bethel, Concurso de Miss Filha de Jó Internacional e Grau de Púrpura Real.

 

Membros do SCG podem servir durante um ano, podendo ser novamente nomeados, no cargo de Supremo(a) Deputado(a). O Supremo(a) Deputado(a) deve zelar pela Ordem em uma jurisdição, podendo esta ser um estado ou um país, e seus principais deveres são: promover Bethéis em jurisdições em que não exista Bethéis e nas que existam promover organização de um GCG/CGJ em conformidade com a lei, instituir Bethéis quando requisitado(a) a fazê-lo pela Suprema Guardiã, instruir Bethéis após instituição, entregar a Carta Constitutiva, dentre outros.

 

SUPREMO BETHEL DAS

FILHAS DE JÓ INTERNACIONAL

 

O SCG das Filhas de Jó Internacional aprovou em 1969 a formação de um Supremo Bethel. Este possui objetivo semelhante ao de um Bethel regular, pois propõe o desenvolvimento da liderança, do interesse e do bem estar da Ordem. O Supremo Bethel é formado por todas as Filhas de Jó do mundo! As oficiais do Supremo Bethel, Representantes, Oficiais Instaladoras e Porta – Bandeiras são selecionadas na reunião anual do Supremo Bethel que ocorre na Suprema Sessão de cada ano.

 

Para uma Filha participar deste Bethel ela deve estar inscrita na Suprema Sessão e necessita preencher um cartão de registro que será usado no processo de escolha das oficiais. Além disso, ela deve ter no mínimo 16 anos e não ter atingido a maioridade. As oficiais são escolhidas através de um sorteio. É anunciado pela Honorável Rainha do Supremo Bethel o nome do cargo que será sorteado e em seguida a seleção é feita. O primeiro sorteio selecionará uma jurisdição (por exemplo, Bahia) e o segundo sorteio selecionará o cartão de registro de uma Filha que é membro da jurisdição previamente sorteada.

 

As reuniões do Supremo Bethel são abertas e fechadas da mesma maneira que um Bethel regular, porém existem algumas particularidades nos trabalhos como a omissão dos sinais e respostas. O SCG é responsável pela supervisão do Supremo Bethel, mas não funciona como uma espécie de Conselho Guardião. Para isso, a Suprema Guardiã nomeará membros para servirem no Comitê do Supremo Bethel. O Comitê deverá ter no mínimo cinco membros do SCG. Um maçom deverá ser designado para servir como Guardião Associado do SB e a Presidente do Comitê deverá ser reconhecida como Guardiã do SB.

 

VOCÊ SABIA?

 

  • Nós temos registros de um Supremo Bethel desde 1969 e a primeira HRSB foi a irmã Diana Tuma. Antes disso, de 1954 a 1968 nós temos um registro de "Suprema Rainha Honorária" e de 1949 a 1954 o registro é da "Rainha do Baile". Não temos informações disponíveis dos anos anteriores a 1949.

  • Para fazer parte da linha de oficiais a Filha deve ser uma Honorável Rainha ou Past Honorável Rainha.

  • As Oficiais Instaladoras e Representantes do SB também são escolhidas através de um sorteio. As Representantes devem manter contato com a jurisdição que representam e assim trocar experiências. Cada Representante deve fazer um Relatório do seu ano para ser entregue à Guardiã do SB antes da Suprema Sessão seguinte.

  • Algumas brasileiras já serviram no SB como oficiais e representantes. Dentre elas temos os nomes de: Ludmila Murta (2ª Mensageira do SB), Jessica Domingues (Capelã do SB e Tesoureira do SB), Aline Busnardo (1ª Zeladora do SB e Representante do SB para New Mexico/British Columbia/Kansas), Roberta Donega (Representante do SB para Bahia), Anneta Marcon (Representante do SB para Califórnia 7&8), Giovanna Lima (Tesoureira do SB e Guia do SB) e Letícia Coimbra (5ª Mensageira do SB).  

 

REPRESENTANTES A NÍVEL INTERNACIONAL:

O SUPREMO TIME

 

É tradicional nas Filhas de Jó os principais representantes da Ordem se unirem na formação de um “Supremo Time”. Este é composto pela(o): Suprema Guardiã, Supremo Guardião Associado, Honorável Rainha do Supremo Bethel e Miss Filha de Jó Internacional. Cada um deve trabalhar com o propósito de promover nossa organização.

 

A Suprema Guardiã deve ser uma mulher com mais de vinte anos e que tenha o parentesco Maçônico. Sua seleção ocorre através de eleição durante a Sessão Anual do Supremo Conselho Guardião das FJI. Seu dever é conduzir o Supremo Conselho Guardião que, por sua vez, possui como alçada legislar sobre a Ordem e em nome dela.

 

O Supremo Guardião Associado deve ser um Mestre Maçom. Sua seleção ocorre através de eleição durante a Sessão Anual do Supremo Conselho Guardião das FJI. Seu dever é auxiliar a Suprema Guardiã na realização de seus deveres e aconselha-la em todos os assuntos pertinentes a Ordem e aqueles que envolvem o relacionamento da Ordem com a Maçonaria.

 

A Honorável Rainha do Supremo Bethel deve ser um membro regular das FJI e uma Honorável Rainha e/ou Past Honorável Rainha. Sua seleção ocorre através de um sorteio durante a Sessão Anual do SCG. Para ser elegível ao sorteio a candidata deverá passar por um teste de padrão mínimo sobre exemplificação do ritual e conhecimento da Ordem. Após o teste, as Filhas que atingirem a média de no mínimo 75% são classificadas para o sorteio. A Honorável Rainha do Supremo Bethel representa todas as Honoráveis Rainhas das FJI.

 

A Miss Filha de Jó Internacional deve ser um membro regular das FJI com no mínimo dezesseis anos na data do concurso e menos de vinte anos na data da sua seleção como representante. A escolha ocorre através de um concurso internacional que abrange conhecimentos da Ordem. A Miss Filha de Jó Internacional é a representante das FJI com o propósito de promover o interesse, o bem-estar e o crescimento da nossa organização, servindo como emissária de relações públicas. 

 

VOCÊ SABIA?

 

  • Em 2010 Aline Busnardo, membro do Bethel 01 de Goiânia, venceu o concurso de Miss Filha de Jó Internacional 2010 – 2011 tornando-se a primeira e única, até a presente data, brasileira a ser MFJI.

  • Em 2014 Ludmila Canabrava, membro do Bethel 01 do Distrito Federal, foi semifinalista no concurso de Miss Filha de Jó Internacional 2014 – 2015 e ficou em primeiro lugar com a maior nota no teste escrito.

  • Os concursos para Miss Filha de Jó Grande Jurisdição/Jurisdicional seguem os mesmos princípios do concurso de Miss Filha de Jó Internacional. Entretanto, neste caso a filha vencedora será a representante das FJI da Grande Jurisdição (Bethéis sob um GCG) ou Jurisdicional (Bethéis sob o SCG)

  • Em 2014 a irmã Giovanna Lima, membro do Bethel 01 do Acre, foi aprovada no teste de padrão mínimo da Ordem tornando-se elegível para o sorteio do cargo de HRSB.

 

GRANDE CONSELHO GUARDIÃO DAS

FILHAS DE JÓ INTERNACIONAL

 

O objetivo do Grande Conselho Guardião é ser supremo em sua jurisdição, em todos os assuntos dos Bethéis e seus respectivos Conselhos Guardiões e na sua própria administração como GCG sendo sujeito às provisões das leis do SCG. Os membros do GCG são Past Guardiãs de Bethéis e Past Guardiões Associados de Bethéis na jurisdição e todos os membros do SCG residentes na jurisdição deste GCG que tenham sido eleitos para tal associação.

 

Os cargos de um GCG podem ser eletivos e nomeados. Os Oficiais eletivos são: Grande Guardiã, Grande Guardião Associado, Vice-Grande Guardiã, Vice-Grande Guardião Associado, Grande Guia, Grande Dirigente de Cerimônias, Grande Secretária(o) e Grande Tesoureira(o). Por outro lado, os cargos nomeados são: Grande Capelã(o), Grande  Bibliotecário(a), Grande Diretor(a) de Música, Grande Primeira/Segunda/Terceira/Quarta/Quinta Mensageira, Grande Primeiro(a) Zelador(a), Grande Segundo(a) Zelador(a), Grande Guarda Interno e Grande Guarda Externo, estes se não designados oficiais eletivos do GCG.

 

Os cargos eletivos são escolhidos na eleição anual de oficiais do GCG que ocorre na Grande Sessão de cada ano. É eleito aquele(a) com a maioria dos votos. Possuem direito ao voto os(as) membros do GCG. A gestão de um GCG é de um ano ou até o término da Sessão Anual seguinte e os membros deste conselho devem cumprir seus deveres nos seus cargos até que seus sucessores tenham sido instalados.

 

Dentre os principais deveres do GCG estão os poderes de: adotar um Manual de Regras e Regulamentos e um Livro de Cerimônias, aprovar a formação de um Grande Bethel e de uma Associação Alumni. Todos estes deveres não devem entrar em conflito com as leis do SGC.

 

VOCÊ SABIA?

 

  • A Suprema Guardiã poderá convocar uma reunião e organizar um GCG quando houver um total de 140 ou mais membros de Bethel em uma jurisdição e no mínimo 5 Bethéis ativos possuidores da Carta Constitutiva.

  • No Brasil existe a formação de quatro Grandes Conselhos Guardiões. Eles pertencem ao estado do Rio Grande do Norte, Minas Gerais, Bahia e São Paulo. Todos aprovaram a formação de um Grande Bethel (GB) cada qual com seu manual de regras e regulamento específico

  • A cor dos paramentos – capas, coroas e vestes – de um Grande Bethel deve ser diferente de um Bethel regular. No Brasil a cor emblemática do Grande Bethel do Rio Grande do Norte é verde, do Grande Bethel de Minas Gerais é azul, do Grande Bethel da Bahia é vermelha e do Grande Bethel de São Paulo é preta. 

 

CONSELHO GUARDIÃO JURISDICIONAL DAS

FILHAS DE JÓ INTERNACIONAL

 

A Suprema Guardiã poderá convocar uma reunião e organizar um CGJ quando houver 4 ou mais Bethéis ativos possuidores da Carta Constitutiva. O objetivo do Conselho Guardião Jurisdicional é prover liderança nas atividades conjuntas dos Bethéis, assistência aos Bethéis da sua jurisdição e representar a nível Estadual/Provincial/Territorial as Filhas de Jó Internacional. Um CGJ funciona sob a jurisdição do SGC.

 

Os membros do CGJ são Past Guardiãs de Bethéis e Past Guardiões Associados de Bethéis da jurisdição referida ou de outras jurisdições desde que os membros de outras jurisdições estejam residindo na jurisdição do CGJ.

 

Os oficiais de um CGJ são: Guardiã Jurisdicional, Guardião Associado Jurisdicional, Vice-Guardiã Jurisdicional, Vice-Guardião Associado Jurisdicional, Secretária(o) Jurisdicional e/ou Tesoureira(o) Jurisdicional. Os oficiais são selecionados por votação para recomendação na Reunião Anual do CGJ. Os nomes recomendados são enviados para a Vice-Suprema Guardiã para aprovação e nomeação. Cada membro do CGJ possui direito a um voto.

 

A gestão de um CGJ é de um ano e dentre os principais deveres do CCJ estão os poderes de: adotar um Manual de Regras e Regulamentos, aprovar a formação de um Bethel Jurisdicional e de uma Associação Alumni. Todos estes deveres não devem entrar em conflito com as leis do SGC.

 

VOCÊ SABIA?

 

  • No Brasil existe a formação de oito Conselhos Guardiões Jurisdicionais. Estes são pertencentes aos estados da(o): Ceará, Goiás, Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraíba, Santa Catarina e Piauí. Apenas os cinco primeiros estados citados anteriormente aprovaram a formação de um Bethel Jurisdicional (BJ) para suas respectivas jurisdições. 

  • A cor dos paramentos – capas, coroas e vestes – de um Bethel Jurisdicional deve ser diferente de um Bethel regular. Confira abaixo a lista das cores emblemáticas de cada Bethel Jurisdicional do Brasil.

BJ Ceará – veste bege com capas e cordões vermelhos.

BJ Goiás – veste e cordões pérola com capas bordô.

BJ Pernambuco – veste bege com capas e cordões dourados.

BJ Rio de Janeiro – veste bege com capas verdes e cordões dourados.

BJ São Paulo – veste bege com capas e cordões na cor preta.

teste

Filhas de Jó Bahia

 

Official website of Bahia Job's Daughter

Contact us: fdjbahia@gmail.com